Projeto com times locais faz novos torcedores em escola.

Lugar de futebol profissional é na escola pública. Pelo menos nos clubes do Campeonato Amazonense. Nas aulas de Educação Física da professora Nilce Cleide Pantoja, 39, para as seis turmas do 7º ao 9º ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual Altair Severiano Nunes, no Parque 10, zona centro-sul de Manaus, conhecer e expor as histórias dos times, torcer entoando os hinos originais e ‘gritos de guerra’, confeccionar e usar as fantasias dos mascotes e vestir os uniformes para defender, em campo ou na quadra, o clube sorteado são deveres dos alunos.

Idealizado e coordenado por Nilce, o projeto ‘Os Grandes Clubes de Futebol do Amazonas’ entrou há quatro anos na grade curricular do colégio e se estendeu aos Jogos Interclasses, competição esportiva interna do Altair Severiano, que chega este ano à 4ª edição. A cerimônia de abertura será nesta terça-feira (26), quando na hora do desfile os 192 alunos do programa irão apresentar todo o material produzido em um mês, indo de painéis a bandeiras e fantasias dos clubes selecionados, em 2014: Nacional, Rio Negro, São Raimundo, Fast, América e Princesa do Solimões.

“Este projeto tem várias etapas dentro da metodologia. Trabalho com o tripé: educação, esporte e cultura. Então, desenvolvo as múltiplas inteligências dos alunos, porque até chegar os Jogos eu desenvolvo o histórico para fundamentá-los, para entenderem, aprenderem a gostar dos clubes e saber falar sobre o referido time. Tudo embasado em pesquisas”, explicou a professora.

A identificação da maioria dos alunos com os clubes de futebol locais era, praticamente, inexistente quando o projeto foi lançado, conforme Nilce Cleide, que ficava inquieta com o desinteresse. “Nós mesmos como amazonenses não valorizamos o que é nosso. Aí, vejo a escola como local para fomentar, instruir e mostrar o que temos (no esporte). Assim, poderá argumentar porque gosta ou não de tal clube”, declarou a pedagoga, que não impõe aos alunos uma postura bairrista.

Como esperado, Nilce percebeu nas turmas que implantou a nova metodologia um interesse despertado pelos até então ‘desconhecidos’ times do Estadual. “Eles têm um olhar diferente agora, aceitam e até defendem os clubes amazonenses. Nos Jogos Interclasses, os alunos não batem mais na tecla de querer representar São Paulo ou Flamengo, porque já entendem a identidade deles”, afirmou.

A valorização do futebol da região refletiu na produção das peças artísticas representativas dos clubes. Uma evolução que partiu da iniciativa dos recém-formados torcedores. “No início do projeto, era muito artesanal. Pegava uma camisa e pintava com o nome do clube. Hoje não, eles fazem questão, se for preciso, de gastar recursos próprios para mandar confeccionar nas lojas e fábricas as camisas com o brasão, nome e número para ter mais destaque”, comentou.

Na organização das tarefas do ‘Os Grandes Clubes de Futebol do Amazonas’, as turmas são divididas em grupos com cinco alunos, em média, para assumir estágios separados do projeto. “De acordo com as demandas, uma equipe confecciona as bandeiras, outras só ficam responsáveis pela confecção do mascote, trabalhar o painel, hino e torcida”, explicou a professora.

Neste ano, uma novidade das frentes de trabalhos deste projeto foi a confecção dos mascotes de cada clube. O Leão e o Galo, que representam os centenários arquirrivais Nacional e Rio Negro, ganharam atenção redobrada nas fantasias. “Antigamente, os mascotes eram confeccionados no isopor e pronto. Mas agora os alunos vêm caracterizados de cada mascote”, disse Nilce.

Fonte: d24am.com

0 coment�rios:

Postar um comentário

My Instagram